Para onde vai o Egito de Morsi?

No próximo dia 1º de outubro, Mohammed Morsi, presidente eleito e empossado da República Árabe do Egito completará três meses no cargo. É tempo muito curto para que se possa fazer uma análise não só da situação de seu país, como de seu mandato presidencial. Ainda agora atropelado por um filme polêmico feito e apoiado por sionistas cristãos e estadunidenses. Cabe, porém, registrar algumas primeiras impressões.

Algumas perguntas que não querem calar...

Já escrevemos sobre o novo Egito depois da vitória de Mohammed Morsi. Falar da sua filiação à Irmandade Muçulmana é chover no molhado. Desnecessário. Sabemos a trajetória desse agrupamento político, de linha duvidosa. Ora pregam estado teocrático, ora dizem que não farão isso. Na campanha disseram que não mexeriam nos acordos de paz de Camp David com Israel (assinado em 17/09/1978, mas celebrado em 26/03/1079). Mas, não só no mundo árabe, na política em geral valem muito mais os sinais do que os fatos e as versões.

Há várias coisas acontecendo e várias são as perguntas que teríamos a fazer a Morsi. Em quase 90 dias já deveríamos ter algumas sinalizações sobre os rumos que seu país e sua presidência tomarão. E já temos. Pelo menos alguns sinais. E queria compartilhar com meus leitores minhas opiniões sobre esses sinais.

No mundo árabe e na política libanesa, síria e egípcia é preciso ler o “texto”, mas é preciso ler em especial o que chamamos de “subtexto”. As entrelinhas. Senão vejamos.

Morsi tomou posse no último dia 1º de julho. Não consegue, de cara, remover a cúpula das forças armadas deixadas pelo ditador Hosni Mubarak, hoje encarcerado. O ditador havia deixado o seu chefe das forças armadas no Comando Supremo das Forças Armadas. Trata-se do amigo dos Estados Unidos, Mohammed Tantawi. Morsi precisará conviver com essa velha turma por algum tempo. Precisa acumular forças para mostrar a que veio.

Sua primeira batalha é com o poder judiciário do velho regime. Imediatamente ele revoga o decreto dos militares que lhes tirava poderes presidenciais e manda restabelecer o parlamento eleito democraticamente onde ele possui maioria, que havia sido fechado antes de sua posse. Dá certo por um dia apenas. A justiça manda fechá-lo novamente e restringe seus poderes.

No entanto, 42 dias depois da posse, em 12 de agosto, Morsi surpreende a todos os analistas internacionais. De uma só tacada demite, com aposentadoria, os marechais e generais quatro estrelas da cúpula militar, alguns com quase 80 anos. Mantém apenas alguns generais mais jovens e simpáticos à Irmandade.

Reações são imediatas, mas contidas. Ele envia elogios à turma da velha guarda, mas os tira do centro do poder. Dissolveu, na prática, a junta militar. Readquire os poderes presidenciais. Os EUA pouco podem fazer. Assistem estupefatos.

No dia 16 de agosto, o presidente Egípcio vai à cidade sagrada de Meca, na Arábia Saudita. Comparece a uma reunião extraordinária da Organização da Conferência Islâmica – OCI, organização que reúne 57 países de orientação islâmica, convocada pelo Rei Abdullah. Esse é um dos monarcas feudais, das chamadas petromonarquias do Golfo que apoia e financia a derrubada do presidente da Síria, Dr. Bashar Al Assad. É fato que Morsi tem usado o termo cunhado pela diplomacia estadunidense de “mudança do regime”. Mas, jamais defendeu uma intervenção militar externa.

Pois bem. Nessa reunião, convocada com a pauta clara de suspender a Síria da OCI, Morsi surpreende a todos com uma proposta jamais vista. Defende uma saída negociada para a crise síria e a formação de uma comissão integrada por quatro países islâmicos, a saber: o Egito, claro, o Irã – pasmem! – a Arábia Saudita e a Turquia (pró-Ocidental). Mais uma vez os analistas ficaram boquiabertos. Logo o Irã, demonizado pelo Ocidente! E vejam o subtexto da reunião. Na mesa dos trabalhos, o Rei Abdullah manteve à sua direita o Emir do Qatar, Hamad bin Khalifa Al Thani, salafista e também ele financiador dos tais “rebeldes” sírios. Mas, à sua esquerda o presidente do Irã Mahmoud Ahmadinejad!

É sabida a crise econômica que o Egito atravessa. Fruto de anos de modelo neoliberal implantado pela ditadura de Mubarak. Desemprego elevado. Privatizações. Perda completa da capacidade de investimentos do Estado egípcio. O FMI arvorou-se como possível financiador. Sabemos o custo político disso. A Arábia Saudita apresentou-se com possível emprestadora. Mas, a um custo político elevadíssimo. Morsi não pegou. Surge dois bilhões do Qatar, que também disputa com o Rei Abdullah, uma possível liderança do mundo árabe (os qatarinos são salafistas e os sauditas são wahhabitas; duas das inúmeras facções do Islã). E oferece o empréstimo sem nenhuma contrapartida. E Morsi aceita.

No dia 22 de agosto para onde Morsi viaja? Para a China, hoje o alvo prioritário na Ásia dos Estados Unidos! Sabe que os chineses querem investir seus trilhões de dólares de superávit da sua imensa balança comercial. Como estavam investindo na Líbia. E não exigem contrapartida. Querem ganhar dinheiro para desenvolver seu país. Isso é mais um sinal que Morsi envia ao mundo sobre seu rumo.

No entanto, na sua volta de Pequim, ele faz um pit stop onde mesmo? Teerã! Do rival e arqui-inimigo de Israel e dos EUA. Um líder egípcio não desembarca em terras persas desde 1979 quando da revolução islâmicas que lá ocorreu. Mais do que isso. O Egito – por ordem dos Estados Unidos – havia rompido relações diplomáticas com o Irã. Ele comparece à reunião do Movimento dos Países Não-Alinhados – MPNA na sigla em português – cuja presidência passa às mãos dos iranianos. Em um momento dos mais delicados, quando Israel insiste em apontar o dedo do gatilho para essa Nação.

Morsi, mais uma vez, fala em “mudança de regime”. Mas, insiste na comissão quatripartite para negociar uma saída para a crise síria. Não aceita intervenção externa. Defende com firmeza o Irã como protagonista no cenário do Oriente Médio. Deixa claro, para o mundo, que não está nem ai para as tais divergências entre sunitas e xiitas. Deixa claro, para quem quer ouvir, que o modelo de governo da Turquia, tão admirado pelos ocidentais, não é e nunca será o seu modelo. Isso embaraça o governo de Obama.

Morsi manda novos sinais ao Ocidente. É como se ele dissesse: existem dois campos no Oriente Médio – que os chineses e sua diplomacia chamam de Oriente Ocidental – a saber: um, integrado pelo Irã, Síria, Líbano, Iraque e apoiado pelo Hezbolláh e Hamas e o outro formado pela Arábia Saudita, Qatar, Turquia e Estados Unidos, apoiados por Israel. O Egito gravita em torno do segundo campo. Mas, ameaça claramente cruzar essa linha.

As petromonarquias e a diplomacia da hilária Clinton entram quase que em pânico com esses movimentos. O Egito reatar relações diplomáticas com Teerã será o fim do mundo para os sauditas. Arrisco a dizer que isso será questão de tempo. A direita árabe, as monarquias feudais veem a política que eles construíram por anos a fio ruir de uma hora para outra. É como se, os sauditas em particular, estivessem em uma encruzilhada histórica. O tal “consenso” está ruindo e rapidamente. E Morsi ajuda nesse processo.

Ainda não sabemos para que lado ele vai

Claro esta, como analista internacional, que não temos a certeza dos rumos que as coisas vão tomar naquele mundo instável. As massas voltam agora às ruas. Em especial no Cairo. Muitos poderão aproveitar-se desse movimento de protesto contra um asqueroso e indigno filme, provavelmente financiados pelos sionistas cristãos e judeus norte-americanos. Outros, querem voltar a ver triunfar um movimento revolucionário interrompido na região que fez despertar décadas de sonhos adormecidos.

Em recente declaração, em meio a uma campanha eleitoral delicada e tensa nos Estados Unidos, Obama disse que o Egito “não é inimigo dos EUA, mas também não é amigo”. Ora, isso diz tudo. A maior potência imperialista do planeta, que até outro dia tinha no Egito o seu maior aliado no mundo árabe, a quem todos os anos – faz mais de trinta – envia quase dois bilhões de dólares a fundo perdido e que vai direto às mãos dos militares que administram essa fortuna, emite uma opinião dessas é quase que dizer que eles perderam o Egito na geopolítica regional.

Acho que o objetivo final já esta claro. Morsi vai rever o tratado de paz com Israel. Não tem como não imaginar que isso não acontecerá. Por mais moderado que possa ser esse agrupamento islâmico, não tem como não ouvir o clamor das ruas egípcias. As contradições são imensas.

O mundo árabe é completamente demonizado pelos norte-americanos (veja excelente documentário de 50 minutos de um pesquisador estadunidense de origem árabe que mostra como Hollywood vê os árabes neste endereço http://www.youtube.com/watch?v=0hVGlc-RP9Y&feature=youtu.be). A reação ao filme antiislâmico é desmedida. É na verdade reação a tudo que os EUA representam hoje no mundo. Como eles são contra os palestinos e a favor de Israel. Reações contra as agressões ao Iraque, à Líbia e ao Afeganistão e às ameaças à Síria.

Vamos acompanhar a evolução da situação explosiva no Oriente Médio, ou Oriente Próximo para os europeus e Oriente Ocidental para o chineses. Uma região que segue cada dia mais estratégica com as imensas e recentes descobertas de gás e petróleo na bacia do Mediterrâneo. E registrem ai: a agenda de Morsi não para. Desembarca em Washington em 27 de setembro e depois passa no Brasil para falar com Dilma.

Eu, hoje, não tenho dúvidas: o Egito veio para ficar neste novo cenário.

* Sociólogo, professor, escritor e arabista. Lecionou Sociologia e Ciência Política na Unimep entre 1986 e 2006. Presidiu a Federação Nacional dos Sociólogos entre 1996 e 2002 e o Sinsesp de 1997 a 2010. É colaborador da revista Sociologia da editora Escala e dos portais Vermelho e Grabois. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..