Derrota de Baleia é a prova que a Frente Ampla foi correta

Prof.Lejeune Mirhan - 10-02-2021 421 Visualizações

O debate sobre necessidade de construirmos uma frente ampla é sempre polêmico. Em toda a história onde e quando ela foi construída para enfrentar determinados inimigos imediatos e comuns a muitos segmentos sociais, ela sempre foi polêmica. O pano de fundo desse debate é que parte da esquerda, ou que assim se apresenta, acusa os defensores da proposta de serem capitulacionistas e defensores da burguesia. E palavras de pior calibre. Pretendo neste pequeno ensaio, rebater à essas posições.

 No dia 19 de dezembro de 2020, publiquei um artigo defendendo a Frente Ampla e afirmei que vivemos tempos de reler (ou ler) Lênin, o grande estrategista do proletariado revolucionário (1). Ele até mereceu uma réplica de Valter Pomar, que, por suposto, é contra essa frente ampla (2). Não sem muita surpresa, eis que Rui da Costa Pimenta, presidente do PCO, em sua análise de conjuntura semanal na TV 247 diz que “a vitória de Lira comprovou o fiasco da frente ampla” (3). Penso exatamente o contrário. E dizendo de outra forma: a derrota de Baleia comprovou mesmo é a necessidade de uma ampla frente para derrotar o fascismo. E isso tentarei demonstrar neste pequeno trabalho. E tentarei também mostrar que Bolsonaro não está forte como muitos analistas apregoam.

Não pretendo divagar sobre a necessidade da construção de uma frente ampla. Aliás, hoje ela devería ser amplíssima, em função do inimigo que se nos apresenta à frente, o fascismo. Essa justificativa teórica fiz no meu ensaio anterior já citado. Apenas para registro, a amplitude das forças que compõem uma determinada frente está diretamente relacionada com a correlação de forças que existam em uma sociedade em determinado momento de sua história. Ou seja, fazer ou não alianças com adversários ou mesmo inimigos de forma pontual não é uma questão de vontade, de desejo da parte das forças revolucionárias. Não é uma questão moral. Trata-se de aferir a nossa força e o que é possível avançar com outras forças e cujos objetivos nos interessa também atingir.

Como disse certa vez Arafat, só posso fazer alianças e acordos com adversários, pois com meus amigos eu tomo arak (bebida árabe). Dois grandes exemplos de frentes amplíssimas eu mencionei na história. A aliança dos grandes (EUA, URSS e Inglaterra) contra o nazismo cuja primeira reunião (de três) ocorrida em Teerã em 28 de novembro de 1943 (4). Os dois grandes capitalistas, que queriam destruir o socialismo, tiveram que conversar com o líder socialista mundial.

Mencionei também o acordo entre os comunistas de Mao Tsé Tung e os nacionalistas de Chiang Kai-shek que, a partir de 1931, quando o Império do Japão invadiu a região da Manchúria, estabeleceram uma Frente Unida com os Comunistas, para derrotar aquele que, naquele momento, era o inimigo mortal de ambas as partes, pois ocupava território chinês (e o fez até 1945 quando foram expulsos e a frente dura todo esse tempo). Libertado o país, ambos os lados voltaram a se confrontar e o Exército Popular de Libertação – EPL de Mao Tsé Tung toma o poder em 1º de outubro de 1949.

Para algumas pessoas, esses dois grandes e históricos exemplos nada valem e nada nos ensinam. Vociferam aos quatro ventos – e com amplo eco em muitos setores da esquerda, em especial os trotsquistas ou por eles influenciados – que a frente deve ser “de esquerda”. Cheguei a ouvir de um professor doutor de uma conceituada universidade federal (que privo de dizer seu nome por vergonha) em um debate que com ele participei, que podemos sim fazer alianças com outros setores e até com a burguesia, mas temos que deixar claro para eles quais são nossos objetivos estratégicos.

Dito de outra forma, ele até aceita que façamos alianças com setores da burguesia que podem ter, circunstancialmente, os mesmo objetivos que a esquerda em determinados momentos históricos. Mas, temos que dizer a eles que ali mais para frente nós os mataremos todos no paredão. Além de risível, é como se esses setores não soubessem dos nossos objetivos estratégicos de modificação do sistema capitalista e a sua substituição pelo socialismo.

Mas o professor doutor disse mais. Temos que deixar claro nosso programa estratégico, ou seja, afirmar que queremos o socialismo com um plano de nacionalizações, eliminação das desigualdades etc. Não me consta que o lado capitalista e socialista nas reuniões da Frente Ampla antifascista tenha dito isso. Acho que esse tema não foi sequer discutido. Quando leio e ouço pessoas do nosso campo (pelo menos é o que dizem) baterem no peito e dizerem que “temos que fazer uma frente de esquerda”, eu fico me sentindo mesmo um verdadeiro traidor do proletariado.

Também em ensaio recente (5), demonstrei que, com base nas eleições de 2020, que teve a maior abstenção, brancos e nulos da história (chamo isso de índice ABN, com mais de 40% dos inscritos em algumas localidades e na média nacional). Mencionei que, se por um milagre (e eu não creio em milagres) achássemos um candidato que unificasse toda a esquerda – ou os que assim se apresentam – a saber: PCB, PCO, PSTU, UP, PT, PSOL e PCdoB (sete partidos), faríamos apenas 10% dos votos apenas.

Alguns, os que batem no peito e pregam a frente de esquerda (sic), têm resistência, mas até aceitariam ampliar essa frente para a centro-esquerda e o centro, compondo com PSB, PDT e REDE. Muito que bem. Se esse mesmo candidato milagroso unisse todos esses dez partidos (e se Ciro retirasse, claro), teríamos feito quantos votos? Apenas 20% dos votos válidos! Seguramente, teríamos dificuldade de colocar nosso nome no segundo turno e talvez tivéssemos que fazer como os franceses (de esquerda) fizeram no segundo turno de 2017, quando tivemos que votar no neoliberal Macron para barrar o fascismo de Marine Le Pen. Simples assim.

A articulação da frente por Baleia Rossi

Não vou aqui detalhar as articulações, encabeçadas por Rodrigo Maia (ainda no DEM do Rio de Janeiro), que levaram a uma formação histórica e inédita na disputa pela presidência da Câmara que envolveram 11 partidos políticos, da esquerda à direita (são eles: MDB, PSDB, DEM, PSL, Cidadania, PV, REDE e os partidos de esquerda PT, PSB, PDT e PCdoB).

Juntos esses partidos têm 261 deputados (6). Os números finais sabemos quais foram. Baleia teve apenas 145 votos. Uma imensa pressão governamental – compra de votos descaradamente (dizem que deputados não se compram, mas se alugam, pois é preciso pagar sempre) – produziram esse resultado pífio (o candidato do fascismo teve 302 votos). Aí, cresceu o vozerio dos que pregam uma análise rasa das coisas. Ou por não serem dialéticos, ou por serem equivocados mesmo.

Os que dizem – como Rui e caterva – que a derrota dessa frente foi uma derrota da concepção de uma Frente Ampla podem ver, mas nada enxergam. Ou enxergam poucos palmos além de seus narizes. A articulação de Maia e Baleia produziu fissuras jamais vistas antes no campo da direita. ACM Neto, que preside o DEM, aproximou-se perigosamente de JB, a ponto de ser execrado nas redes sociais e ter que afirmar que o DEM ficaria neutro e que jamais comporia com JB em 2022 como foi aventado.

Há hoje um claro racha no campo da direita. Uma espécie de luta entre as frações de classe da burguesia brasileira, quase toda ela financeira e internacionalizada. E, mesmo JB tendo alugado um conjunto grande de deputados que lhe compôs maioria de 302 votos para seu candidato Arthur Lira, isso jamais poderá significar uma vitória para a extrema direita ou que JB tem esse exato tamanho na sua base parlamentar. O estrago no campo da direita foi imenso.

Não se pode ainda afirmar que Rodrigo Maia sairá do DEM e menos ainda para onde ele irá. No entanto, ele viveu imensas traições, facadas pelas costas, debandada completamente fisiológica. Os que ficaram – e por certo no nosso campo de esquerda Lira pescou muitos votos – pode-se dizer, vivem com o bolsonarismo uma crise insuperável ou, como Mao dizia, uma contradição insolúvel. Ambos deputados poderiam ainda vir a compor com o bolsonarismo no futuro, em troca de eventuais cargos? Acho muito difícil. Mas, em política, aprendemos a não usar o termo “impossível”.

O maior perdedor desse processo não foi Rodrigo Maia, mas João Dória, governador de SP e que controla hoje o PSDB(ou tenta pelo menos). Já se diz que ele quer “purificar” o Partido, com a expulsão de Aécio Neves, que liderou o racha nesse campo rumo ao bolsonarismo (alguém tinha dúvida disso?). Fala-se em um grande racha no próprio DEM, que poderia vir a perder vários deputados federais. E isso não é positivo?

Por fim, a questão da polarização. O que as eleições da Câmara demonstraram de forma cabal é que não existe uma terceira via na política, em especial em um país como o nosso. E os que tentaram construir esse caminho, “pela esquerda”, deram-se mal e acabaram por ajudar a direita a vencer. Rumamos para 2022, com JB ou sem ele, para uma polarização entre os que querem um Brasil soberano, independente, respeitado mundialmente, que combate à desigualdade e respeita os direitos humanos e preza pela democracia.

O outro campo, é o do neofascismo, encabeçado por JB e seu apaniguados e seguidores. Que são racistas, misóginos, homofóbicos, anticomunistas e têm profundo desprezo pela democracia. Para eles, o STF e o Congresso Nacional deveriam mesmo é ser fechados sumariamente, aliás, como já propôs o seu filho que, vergonhosamente, ainda preside a comissão de relações exteriores da Câmara dos Deputados.

A fraqueza de JB

 Os equívocos políticos nas análises que vi decorrentes da vitória de Lira para a Câmara não foram apenas de críticas à Frente Ampla. Houve alguns analistas políticos que decretaram uma força exponencial desse que ocupa a presidência de nosso país, colocando-o como o mais forte dos pré-candidatos à presidente em 2022 (se chegar lá, é claro, mas eles não têm dúvidas que isso ocorrerá).

Em primeiro lugar, não tenho certeza de que JB chegue até 2022. Escrevi isso em artigo recente onde comento sobre vacinação no Brasil (7). De todas as dezenas de crises políticas criadas por JB e sua família miliciana em 25 meses de (des)governo, jamais eu afirmei que ele iria cair, em que pese todo o entusiasmo da mídia alternativa que chegou a decretar o fim do governo várias vezes. No entanto, agora é muito diferente. Ele está jogando com a vida das pessoas. Está ficando cada dia mais claro, que ele nada fez para combater a pandemia. Ao contrário. Combate diariamente o isolamento social e outras medidas.

Mas, por que então ele estaria forte? Por que ele não cai logo e passa o bastão para o Mourão? Bem, aqui tem uma explicação minha, que tento ser dialético na análise, que é sobre a origem da força de seu governo que vem de um terço da população, que se identifica profundamente com ele, que tem nele a sua expressão, uma identidade macabra, perversa, do maior conservadorismo possível. Um terço, mas caindo a cada dia.

Aí vem a pergunta que não quer calar: mas, por que ele não cai então? A primeira resposta é justamente a batalha pelo comando das duas casas legislativas, que ele venceu. Mas, é vitória momentânea, passageira. Não há parlamento que segure graves crise políticas e grandes manifestações de massa (que ainda não ocorrem, mas seguramente ocorrerão em breve). De fato, há uma massa de parlamentares extremamente fisiológicos, de direita, alugados por qualquer que seja o presidente de turno.

Esse um terço da população – dos eleitores, claro – saiu do armário desde 2013, com as tais jornadas de junho, embrião do fascismo no Brasil. Essa gente saiu do armário onde estavam quietinhos e jamais voltarão a ele. Mesmo na hipótese de que a esquerda volte a governar em 2023, como eu acho plenamente possível e até provável. Essa gente aprendeu a usar aplicativos de mensagens instantâneas. Uma parte delas também usa o Facebook como sua maior rede social, seguida do Instagram e do Twitter.

Duas forças políticas sustentam o governo do neofascista. A primeira e mais importante é a do rentismo. A classe social dos rentistas – que domina a sociedade, que manipula os meios de comunicação e os deputados – é a classe social que domina política e economicamente a sociedade. E a ideologia vigente é a sua ideologia. Só se fala em corte de gastos, ajustes fiscais, reforma tributária (para ricos pagarem menos), fim de programas sociais e auxílios emergenciais (8).

Paulo Guedes, ex-BTG, está a seu serviço e é o czar da economia. Ele vetou a tentativa de demissão do presidente do BB, que JB aventou em fazer. Esse setor social – poderosíssimo –é que pauta o Congresso (vejam a questão da autonomia do BC prestes a ser votada), pauta as linhas editoriais de todos os jornais, rádios e TVs, mesmo as que fazem certa oposição ao governo de JB.

O segundo setor que lhe dá sustentação é o exército e as forças armadas em geral. Jamais na história do país – e pesquisei inclusive em todos os cinco generais-ditadores entre 1964 e 1985 – um governo teve tantos oficiais generais de quatro estrelas (incluindo almirantes e brigadeiros) em postos de primeiro escalão como esse. Castelo Branco, o primeiro ditador do ciclo militar teve oito. Este atual tem pelo menos 12. Isso sem falar os mais de dez mil militares que ocupam cargos elevadíssimos de primeiro, segundo e terceiro escalão que lhes rendem salários extras muito acima de 15 mil reais por mês, fora as mordomias e benesses dos cargos.

Ainda assim e por tudo isso, não há governo impopular que se segure no cargo ou mesmo se reeleja. Vejam o exemplo do traidor Lênin Moreno no Equador que sequer teve condições de disputar a reeleição e se o fizesse, não teria mais que 1% dos votos. Aqui poderemos viver uma situação parecida. Sem falar os governos no mundo que vêm sendo derrotados pela forma genocida com trataram a pandemia (um dos principais motivos da derrota de Donald Trump está sendo atribuída ao seu negacionismo).

Breves conclusões

 Como marxista-leninista sou enfático defensor de frentes amplas. E ela será tão ampla quanto for possível e necessária, para derrotarmos inimigos comuns e mais imediatos. Fazer frentes políticas não é a mesma coisa que formarmos uma frente eleitoral para disputar a presidência ou um governo estadual. Isso requer uma plataforma, um programa de governo, que não é o caso de uma frente com objetivos imediatos.

Estamos na iminência do STF vir a julgar um habeas corpus de Lula que poderá considerar Moro como suspeito e anular todos os processos contra ele “julgados” pelo chefe da Lava Jato e da acusação que foi esse “juiz”, cujo lixo da história o espera em breve. E tem que anular também o que ele “instruiu” e a “juíza” que o substituiu “copiou e colou” a “sentença” sobre o sítio de Atibaia (o TRF-4 já anulou sentenças dessa mesma “juíza” que gosta de “copiar e colar”).

Acho que Lula inocentado é o maior terror e pânico em grande parte da burguesia nacional (acho que uma parte dela já estuda a possibilidade de sua volta). Vozes em nosso campo querem aposentá-lo precocemente. Uns falam de sua idade (mais jovem quatro anos que Biden), mas tem melhor saúde do que todos os mais jovens que o cercam (e faz esteira diariamente).

Pesquisas que ainda colocam JB em primeiro e Lula em segundo não valem nada agora. São pura obra de ficção. O cenário está em mudança e de forma acelerada. Tenho a convicção de que só Lula consegue unificar quase toda a esquerda citada acima (é provável que menos o PDT de Ciro).

Mas, mais que isso. Tenho certeza de que Lula não só unifica nosso campo como também tem a capacidade de atrair o centro político e parte da direita não fascista (poderá ter um vice como Flávio Dino do PCdoB e do Nordeste, mas poderá também ter uma empresária como foi José Alencar, que é a Luiza Trajano ou mesmo um professor como Cláudio Lembo, ex-reitor do Mackenzie crítico ferrenho do golpe de 2016 e da prisão de Lula).

Nesse sentido, também entendo que uma campanha pela volta de seus direitos políticos – ou seja a anulação de toda a farsa jurídica montada contra ele – deve ser organizada pelos partidos do nosso campo.

Claro que, mesmo se isso ocorrer, 2022 não será um passeio, seja contra JB ou contra quem a direita ou extrema direita se apresentar. Mas, acho Lula imbatível. Está ainda fresco na memória as suas realizações, em que pesem todos os preconceitos e o estigma que lhes criaram. Todos superáveis.

Ainda que JB chegue a 2022, ele não terá como fugir a todos os debates. Se for a apenas um, todos/as verão a sua nulidade, a sua incompetência, a sua desumanidade, o seu preconceito contra tudo e todos, que não lhes são afetos. E o mais importante: não terá sido o primeiro, nem o segundo, que perderá fragorosamente em função do resultado da pandemia que, a cada dia, fica mais claro para todos/as.

  1. Quem quiser ler meu artigo clique neste endereço: <https://bit.ly/38Jz7ee>.
  2. Pode ser lido neste endereço <https://bit.ly/3bJaDnA>. Escrevo ainda a tréplica do mesmo.
  3. Que pode ser assistido neste endereço: <http://bit.ly/2MRTe1H>.
  4. Maiores detalhes podem ser lidos aqui <http://bit.ly/3q848Pl>.
  5. Leiam este artigo sobre eleições de 2020: <http://bit.ly/2Z5ML62>.
  6. Vejam maiores detalhes neste link: <http://glo.bo/3oZGX8F>.
  7. O artigo citado pode ser lido aqui: <http://bit.ly/3jxKqtL>.
  8. Em meu livro intitulado O comportamento eleitoral dos brasileiros de 1945 a 2018, lançado pela minha Editora Apparte (320 páginas, R$42,90), há um capítulo intitulado “Forças que golpearam Dilma e as eleições de 2018”, pág. 121-128 onde trato da questão dos rentistas e sua força.

* Sociólogo, professor universitário (aposentado) de Sociologia e Ciência Política, escritor de 14 livros, pesquisador e ensaísta. Atualmente exerce a função de analista internacional, sendo comentarista da TV dos Trabalhadores, da TV 247,da TV DCM, do Canal Outro lado da notícia, do Canal Iaras & Pagus e do Canal do Rogério Matuck, todos por streaming no YouTube. Publica artigos e ensaios nos portais Vermelho, Grabois, Brasil 247,Outro lado da notícia, Vai alie Vozes Livres. O site da sua editora é www.apparteditora.com.br e seu site pessoal é www.lejeune.com.br. Recebe e-mails no endereço [email protected].

Vídeo em Destaque