A batalha da Síria e a mídia

Prof.Lejeune Mirhan - 14-01-2021 45 Visualizações

Já li os dois jornalões da burguesia. Acordo cedo e já cai matando na leitura e análise. Faço isso há 37 anos, desde jovem em 1975 quando virei comunista. Nos vinte anos que ministrei aulas na Universidade, em alguns semestres lecionava Sociologia da Comunicação para alunos de jornalismo e PP. Assim, as leituras são de conteúdo, a quem serve a notícia, forças que estão por trás das mesmas, quem ganha e quem perde com essa ou aquela notícia.

Pois bem. Ambos os jornais noticiam mais um "massacre" na Síria. E, em formação unida, a mídia aponta para o "sanguinário presidente genocida" (sic) Dr. Bashar Al Assad, jovem médico oftalmologista formado na Inglaterra.

A única fonte deles, sabemos qual é. Um tal de Observatório Sírio de DH, com sede em Londres que não tem uma só pessoa trabalhando na Síria. Seu presidente integra o obscuro Conselho Nacional Sírio, da oposição e tem financiamento de suas atividades pela Arábia Saudita e Qatar.

O jornalista que fez a matéria, algum correspondente da REUTERS, em determinado momento do seu texto confessa que "nenhuma inforação que vem sendo divulgada tem possibilidade de ser confirmada a sua veracidade pela situação que o país vive". Foi honesto, pelo menos talvez com a sua consciência de cidadão querendo informar de forma equilibrada as coisas.

Bom, mas qual foi a manchete do Estadão na parte internacional? "Forças de Assad massacram ao menos 78 em Hama". Como o editor que fez essa manchete tem certeza que foi o presidente Assad que mandou matar pessoas, se nem o repórter na Síria tem essa certeza?

Nunca tive dúvidas. A mídia tem dono, a imprensa é uma mercadoria e vende produtos de acordo com os interesses dos que a financiam, em especial as classes que dominam política e ideologicamente as sociedade capitalistas decadentes. Como imaginar que essa imprensa poderia ser equilibrada? (neutra impossível). Jamais seria. Suas manchetes têm militância, têm engajamento. DEvem cumprir um papel de propaganda, mas nunca de informação. Desinformar é seu grande objetivo. Alienar, manipular, fazer cabeças, como se diz. Mas jamais informar.

Lamento tudo isso. Para nosso consolo, parte expressiva e revolucionária de nossa esquerda não se deixa enganar, nem se abate com isso. Patriotas sírios, sírios históricos e seus descendentes no Brasil também não se dobram. Sabem que tais massacres vêm sendo cometidos por mercenários e terroristas pagos em altíssimos valores, pela Arábia Saudita e pelo Qatar com apoio norte-americano e israelense, para derrubar o único - veja bem, estou dizendo único e último, já que todos os outros foram removidos - governo que ainda resiste à ação imperialista no OM, apoia a causa dos palestinos e é antisionista.

Por isso, nunca titubeamos. Estamos com o povo e com o governo da Síria.

* Sociólogo, escritor e arabista. Foi professor de Sociologia da Unimep entre 1986 e 2006. Presidiu o Sindicato dos Sociólogos de SP de 2007 a 2010. E-mail: [email protected].

Vídeo em Destaque