MundoÁrabe

  • Egito muda o rumo da chamada “Primavera Árabe”

    O mundo assistiu, desde domingo, aquilo que a BBC de Londres chamou de “a maior manifestação de massas da história da humanidade ocorrida em um só dia em um país”. Pura verdade. O Egito assistiu no domingo, 30 de junho, 17 milhões de pessoas nas ruas. E nesta quarta, dia 3 de julho, foram 30 milhões. E esse que é o maior país árabe possui 82 milhões de habitantes. Grosso modo, podemos dizer que 36% de sua população saíram às ruas para pedir o fim do governo de Mohamed Mursi. Seria como imaginarmos que 72 milhões de brasileiros saíssem às ruas para protestar. Inimaginável. E olha que a Globo, em seuFantásticodomingo noticiava assim: “milhares de pessoas vão ás ruas no Egito” (sic). Se falasse centenas de milhares estaria mentindo.

  • Os Trabalhadores e a Revolução Egípcia

    O mundo foi pego, com certa surpresa, com as imensas manifestações ocorridas no final de 2010 na Tunísia, que resultaram na queda do ditador Zine El Abidine Ben Ali em 14 de janeiro e desde o histórico dia 11 de fevereiro na queda do ditador Hosni Mubarak, “presidente” do Egito desde 1981. Nos 18 dias de manifestações na Praça Tahrir (Libertação em árabe), que mobilizaram no Cairo e nas maiores cidades egípcias mais de 10 milhões de cidadãos – o Egito possui 80 milhões de habitantes – parecia que a revolução em curso não tinha nenhuma face, nenhum líder e nenhum rosto. Que era obra do espontaneismo.

  • Relatos da viagem à Síria e ao Líbano

    Fazia alguns meses que o Comitê de Solidariedade ao Povo da Síria, fundado em São Paulo e que conta com 45 entidades, planejava organizar uma Missão de Solidariedade ao Povo da Síria. Finalmente, entre os dias 24 de novembro e 2 de dezembro, conseguimos viabilizá-la. Fazemos, através desta matéria, um relato detalhado do seu significado e dos desdobramentos dessa importante atividade internacionalista, que passou, inclusive pelo Líbano.